Quando se fala na inserção do exercício físico no tratamento da fibromialgia, invariavelmente, os doentes ouvem dos seus profissionais de saúde: “O exercício é bom para si. Deve praticar exercício regularmente.” Por sua vez, as respostas dos doentes são: “Não consigo fazer exercício. As dores são piores quando faço exercício. Não tenho energia suficiente para fazer exercício.”

Este distanciamento de opiniões pode conduzir à frustração de ambas as pares. Por isso, é importante manter um diálogo aberto com cada doente e refletir que o exercício físico pode acarretar tanto benefícios como riscos para a pessoa com fibromialgia.

Durante décadas, o exercício físico era considerado um elemento-chave do tratamento da Fibromialgia. Evidentemente, a maioria dos doentes com fibromialgia apresenta-se aerobicamente desajustada, com pouca força muscular e com flexibilidade limitada. E, claro que, um músculo mais fraco é, teoricamente, mais propenso a lesões musculares, lesões essas que causam dor localizada e podem mesmo desencadear dores generalizadas devido a um processamento central desorganizado. Por todos estes motivos, o exercício físico torna-se importante no tratamento da fibromialgia. No entanto, deve ser prescrito e implementado de forma consciente, devidamente personalizada e programada por profissionais especializados.

Pelo facto de a Fibromialgia ser uma doença crónica, com sintomas que diferem de pessoa para pessoa e de causa ainda desconhecida, não é realista pensar que um único tratamento ou tipo de tratamento será eficaz. As evidências sugerem que, a longo prazo, uma abordagem multidisciplinar é melhor. Assim, será importante uma avaliação clínica pelo neurologista, por forma a elaborar a conduta farmacológica para controlo da dor, psiquiatria e neuropsicologia, particularmente útil na área cognitivo-comportamental, sendo importante a pessoa aceitar a doença e viver com as suas limitações, e claro, fisioterapia individualizada e realizada por técnicos experientes para que os exercícios terapêuticos sejam adaptados às condições de cada doente.

Os principais objetivos para a prescrição de exercício físico na fibromialgia, realizado por fisioterapeuta, consistem em melhorar a tolerância física e promover o alívio dos sintomas a longo prazo.

No entanto, existem exercícios contra-indicados:

  • Bicicleta estática (pode agravar a dor na região glútea devido ao assento)

  • Atividades que envolvam corrida

  • Atividades de alto impacto

  • Exercícios envolvendo pesos

Nos casos de Fibromialgia, é importante que o fisiatra e o fisioterapeuta avaliem detalhadamente a taxa de esforço que cada paciente consegue suportar e a partir daí, gradual e suavemente, aumentar a intensidade da fisioterapia e dos exercícios a realizar.

Resultados da fisioterapia personalizada e individualizada:

  • Maior controle consciente dos sintomas

  • Melhor desempenho na qualidade de vida

  • Redução dos efeitos da fadiga e da dor, com efeitos sobre as medidas de bem-estar

  • Efeito analgésico e antidepressivo do exercício aeróbico

Se sofre desta doença ou se tem algum familiar que sofre, não hesite em procurar ajuda de uma equipa multidisciplinar.

Na CERmudança, encontrará uma equipa composta por neurologista, fisiatra, psiquiatra, neuropsicólogo e fisioterapeuta que o poderão ajudar no alívio dos sintomas da Fibromialgia.

Venha conhecer-nos.